Sociedade

Consegues imaginar de onde vem tudo isso? Esses cavalos galopando automaticamente cobertos por lataria prata? Os hipopótamos com sua lataria colorida e cobertos de frases sem intenção nenhuma de ser uma lição de vida? Os macacos são os melhores, claro. Se acham capacitados para organizar essa bagunça e resolver tudo em instantes. A coruja é sábia e apenas por isso entende o motivo da confusão. O que nos remete a outro pensamento: e as aves? Observam cada cotidiano em segundos e estão sempre acima de todos, mas nem por isso se acham as mais espertas do pedaço. Por mais que eu ache o bicho-preguiça digno de aplausos sei que ele é muito sereno e calmo, que por ele tudo está bom como está. Não seja um desses. Não ajudam, porém atrapalham quem quer ajudar. Os monstros são belos. Fazem o bem e não se glorificam por tal ato. Fazem simplesmente pelo fato de saírem ganhadores das felicidades no contexto.

17/05/12

Admirável jardim.

Procurar o sol nos mais diversos lugares em que não há luz. Não há esperança. Importância irrelevante em questão da hipérbole. Hipérbole sem fim. Só assim. O que foi feito está marcado, por exemplo no retrato. Pós trato. Na amarga descrição de todo o ser que é desumano, sem missão. Bem que deve ser humano. Função estética que é muito valorizada. Com ética, mas sem tom. Com som. O que é bom. Carpe diem para você que não entende o que significa o simpls prazer de viver. Inutilia truncat, corte o que é inútil. Corte você. Não você de quem eu gosto porque gosto. Jatos de silêncio. Só por se achar. Em Marte não seria assim. Cor de carmim. Margaridas, rosas, tulipas, cheiro agradável. Devo estar sonhando, não por sonhar. Bom dia! -Disse ele. Disse tanto que nem ouvi. Longe de parecer uma fantástica aventura de cabelos em pé. Arrumados, brilhosos e sebosos. Concordância verbal zero. Influência não de amigos e sim de desconhecidos. Sem amigos. Com frio. Morangos mofados que perderam seu eu. Comunica sendo eu comigo, você conosco e nós unidos. Abrigo em seu colo. Verdade vista entre tranças. Pura confiança. Filtros de efeitos sem ternura. Fofura aparente falsa. Horas e horas preocupantes. Amor eterno. Sincero. Brincar de te amar, te amando. Sonhar querendo ter para mim. Fácil é opinar sobre a vida do outro, cuidar da sua é difícil. O bem e o mal são simultâneos e caminham para um fim tão diferente. Natureza assassina do ego. Do surreal. Da regra que se formou logo depois que você se tornou o que é meu hoje. Visão digna de classes sociais. Mata o índio, mas não mata a si próprio. Não o mate, filho da carne humana! Ainda bom dia. Dia que não se transforma em tarde, tarde que não chegará. Hipocrisia sendo ensinada por um professor. Um morra bem longo para o querido.

E o pensamento lá em você.

Em um momento distante que não passou nem 24 horas do ocorrido, mas não parece que se foi.
Um dia. Uma tarde. Uma noite.
Estou presa no passado que foi ontem.
Domingo apático que de apático não teve nada.
Que de surpreso teve cada segundo aproveitado.
Que de ligações reconhecidas posso listar todas.
Ser julgada por um ato e esquecida em um dia.
Afinal, fazer aniversário é uma atenção passageira que se sucede a bruscos acertos incertos.
Há, além disso, paisagens a serem pintadas e cores a serem descobertas. Não precisa ser o mundo para você.
Às vezes algumas situações acontecem pelo simples fato de precisarem acontecer.
Pode apodrecer todos os seus pensamentos que de útil nada deve servir.
Não me vejo rindo disso no final, apesar de na verdade ontem o clima ter sido de suspense e alegria.
Parabéns para mim.
25/06/12